Dissertações 2017

AUTOR: ADRIANA SANTANA DA CRUZ

ORIENTADOR: MARIA HELENA DA ROCHA BESNOSIK
TITULO: A ESCOLA E A FORMAÇÃO DE LEITORES: UM OLHAR NA PERSPECTIVA DA ESTÉTICA DA RECEPÇÃO

RESUMO:
Esta pesquisa nasce das inquietações de uma leitora de literatura que se fez professora de Língua Portuguesa, e que em função dessa escolha, passou a conviver de perto com as contradições que se revelam dentro do espaço que se pretende privilegiado no papel de formar leitores: a escola. Mobilizada pelo objetivo de compreender como os estudantes recebem a literatura proposta pela escola e o consequente sentido que atribuem à instituição nesse quesito, definiu-se como sujeitos deste estudo seis concluintes da educação básica que já possuíam certa aproximação com a leitura literária. Todas as colaboradoras são oriundas do campo e estão matriculadas no Colégio Estadual Joaquim Inácio de Carvalho, situado na sede do município de Irará-Ba. Nesse sentido o corpus desta investigação privilegia a trajetória de leitura dos sujeitos, cujas raízes estão fincadas nas primeiras escutas fruidoras, portanto na tradição oral e o encontro entre essa trajetória e a instituição escolar. Foi possível perceber que o gosto dessas jovens leitoras não dialoga com as práticas escolares, visto que transitam entre a autoajuda, os best sellers ou as fanfics se contrapondo à literatura canonizada característica dos programas escolares.Os dados levantados, primeiro na sessão de grupo focal depois nas entrevistas semi-estruturadas, são analisados qualitativamente à luz dos postulados da Teoria da Estética da Recepção em diálogo com outros teóricos e estudiosos desta temática. Tais dados expõem, por um lado, as fragilidades presentes no contexto da chamada Educação Básica que vão desde o desencontro entre as práticas discursivas orais e o processo de alfabetização, passa pela descontinuidade curricular entre as etapas, Fundamental e Médio, até o negligenciamento, quando não a negação, das práticas de leitura dos jovens leitores, as quais poderiam servir como porta de entrada a textos de maior qualidade estética. Por outro lado, entretanto, esses mesmos dados apontam para o fato de que está no contexto escolar favorece, mesmo que de forma indireta, a aproximação com a leitura literária
PALAVRAS-CHAVE: Formação de Leitores, Escola, Literatura, Recepção

AUTOR: ANDRÉ NUNES BISPO
ORIENTADOR: MIGUEL ALMIR LIMA DE ARAÚJO
TITULO: IDENTIDADE E DIVERSIDADE CULTURAL NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE QUEIMADAS-BA

RESUMO:
A presente dissertação, intitulada “Identidade e diversidade cultural no ensino fundamental em uma escola pública do campo no município de Queimadas” objetiva compreender como os educadores do Colégio Antônio Pinheiro de Oliveira lidam com a temática das identidades e da diversidade cultural no ensino fundamental, realçando a relevância dessa temática no contexto da sala de aula e a necessidade de afirmação e de fortalecimento das expressões culturais que existem nas comunidades dos estudantes. Entre os diversos autores que embasam esta pesquisa se destacam Araújo, Bhabha, Brant, Canclini, Fleuri, Freire, Hall, Laraia, Santomé entre outros teóricos que discutem as peculiaridades que envolvem as identidades e a diversidade no contexto escolar. Para realizar este estudo me inspirei nas abordagens das metodologias qualitativas de pesquisa em sua vertente etnográfica, com base na fenomenologia. Esta concepção considera as diversas formas como os sujeitos concebem o objeto da pesquisa. Diversos teóricos fundamentam metodologicamente este estudo como, por exemplo, Lüdke e André, Zilles, Pesce e Abreu entre outros autores. Utilizei como dispositivos de construção de dados a observação participante de aulas e do dia-a-dia dos sujeitos nas dependências da escola, atentei também para a análise do Projeto Político Pedagógico (PPP) e para o Regimento interno da referida instituição de ensino, bem como, apliquei questionários e entrevistas aos educadores e educandos no âmbito escolar, utilizando também o diário de bordo e fotografias. Assim, percebi que a temática das identidades e da diversidade cultural atravessa relativamente o contexto escolar numa perspectiva interdisciplinar, através dos projetos que são desenvolvidos ao longo do ano letivo e em algumas disciplinas que compõem o currículo da escola pesquisada. As identidades às vezes são percebidas no singular através de horizontes que defendem uma identidade única para cada sujeito. As diferenças entre os diversos modos de vida geralmente não são percebidas por alguns educandos e educadores da referida instituição visto que consideram estas como repertórios comuns entre as diversas comunidades. Nesse contexto, ocasionalmente ocorrem os processos de homogeneização cultural, a ausência de diálogo e a intensificação dos conflitos entre os sujeitos de diversas culturas. As identidades e a diversidade cultural, muitas vezes são tratadas em desconexão com a realidade vivida já que se dá ênfase aos conteúdos peculiares a cada componente curricular ao longo do ano letivo, sendo que estas temáticas são abordadas, sobretudo, em disciplinas específicas e próximo de datas comemorativas. Desse modo, é necessário que sejam implementadas práticas educativas que contemplem essas temáticas com efetividade, tendo em vista envolver um currículo antimarginalização em que os símbolos das diversas culturas possam atravessar as aulas e disciplinas, acentuando a interculturalidade que prioriza os diálogos tensivos e os compartilhamentos recíprocos entre os vários sujeitos, a fim de fortalecer os processos de afirmação das identidades e das diversas culturas que existem nas comunidades dos estudantes.

PALAVRAS-CHAVE: Culturas. Identidades. Símbolos e diversidade cultural. Ensino fundamental

AUTOR: ARITANA LIMA DE ALMEIDA
ORIENTADOR: GLÁUCIA MARIA COSTA TRINCHÃO PAULO
TITULO: CULTURA ESCOLAR E EDUCAÇÃO NO CONTEXTO DA DITADURA: FEIRA DE SANTANA (1968-1974)

RESUMO:
O presente trabalho tem por objetivo compreender alguns caminhos percorridos pela educação brasileira durante parte do período de maior rigidez do regime civil-militar e a maneira como os ideais de conservação da ordem estabelecida pela ditadura e seus interesses econômicos se refletiram no ensino e na cultura escolar na cidade baiana de Feira de Santana. A análise inicia-se a partir de 1968, ano em que entrou em vigor o Ato Institucional nº 5 (AI-5) – quando a ditadura civil-militar tornou-se mais dura, quando a vigilância, a censura e a repressão já não eram veladas, mas sim, nítidas e cruéis –, e finda em 1974, por ser o ano em que se encerra o período do chamado “milagre econômico”, com a crise do petróleo. Durante o período estudado, foram instituídas novas regulamentações para o ensino básico e superior, refletindo na educação o caráter conservador e autoritário do Estado, deixando claros os seus propósitos que almejavam a construção de um programa econômico de caráter liberal e uma sociedade passiva e acrítica. As legislações de ensino implementadas durante a ditadura abortaram mais uma vez movimentos de transformações na educação, que vinham sendo construídos por educadores, militantes e intelectuais da educação por um ensino crítico, reflexivo e transformador. O trabalho foi realizado a partir de um estudo de caso na escola feirense Ginásio Municipal Joselito Amorim. A escola foi criada em 1963, durante a gestão do prefeito Francisco Pinto, com o nome de Ginásio Municipal de Feira de Santana e sofreu a primeira intervenção do regime ditatorial logo no ano seguinte, em 1964 com a destituição do prefeito e a nomeação de Joselito Amorim para exercer o cargo, que inciou a construção de um novo prédio escolar e deu à escola o nome de Ginásio Municipal Joselito Amorim. A escola tornou-se, assim, um espaço de conflitos políticos, no qual se disputava, através do ensino, um ideal de sociedadepra os sujeitos a serem formados. Foram utilizadas fontes orais, entrevistas com ex-alunos da escola, e fotografias da cidade no período estudado.No primeiro momento o trabalhosão discutidas rupturas e continuidades na educação a partir dos anos de 1960, atentando para as influências exercidas pelo Estado autoritário que se firmou no Brasil após 1964. A fim de consolidar seus ideais de desenvolvimento, pátria e nação, a educação foi posta sob o controle e vigilância dos órgãos de segurança e tiveram seus currículos reformulados em todos os níveis de ensino, tornando-se cada vez mais acrítica e tecnicista, para fornecer mão de obra mais eficaz para a indústria que se desenvolvia. Em seguidatrata da cidade de Feira de Santana durante as décadas de 1960 e 1970, abordando aspectos da política local, em consonância com o contexto político nacional, e sua influência nos movimentos da educação na cidade. Por fimsão abordadas as memórias dos sujeitos que vivenciaram a educação no Ginásio Municipal Joselito Amorim durante o período recortado nesta pesquisa. As memórias trazidas por eles são de extrema importância para a compreensão do cotidiano escolar e dos elementos políticos que permeavam a cultura escolar no final da década de 1960 e primeira metade da década de 1970 na cidade de Feira de Santana.

PALAVRAS-CHAVE: Educação; memória; ditadura civil-militar; cultura escolar


AUTOR: CAROLINA RAMOS HELENO
ORIENTADOR: WELINGTON ARAÚJO SILVA
TITULO: Contribuição à crítica da Base Nacional Comum Curricular –a máscara do conformismo na educação do Banco Mundial
RESUMO:
Elencamos a BNCC como objeto central de análise uma vez que este documento encontra-se em elaboração e discussão. Consideramos o projeto neoliberal de sociedade, a mundialização do capital como expressões condicionantes para solucionar a crise estrutural do capital na perspectiva da burguesia e, com efeito, nos perguntamos: No geral, quais são os nexos e determinações entre a agenda neoliberal imposta pelo Banco Mundial, os interesses de aparelhos mistos de hegemonia como o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e a teoria educacional e pedagógica defendida na BNCC? Realizamos uma revisão da bibliografia de 29 textos com uma composição variável de características como artigos científicos, monografia de base, dissertações, reportagens, artigos políticos. Orientado pelo materialismo histórico e dialético, tivemos por objetivo geral analisar os nexos entre as políticas públicas educacionais e as teorias do conhecimento que fundamentam o receituário de políticas públicas dos órgãos multilaterais e seus possíveis impactos na educação, partir da crítica às categorias de Política para o Novo Milênio, cidadania e direitos de aprendizagem e desenvolvimento. Concluímos que a essência da BNCC coaduna com a manutenção do status quo quando dificulta o acesso da classe trabalhadora e de cor a um ensino de gestão pública, gratuito e de qualidade através da descentralização da educação básica, do repasse de verba pública para instituições privadas de educação, pela imposição de objetivos e o provável controle sobre a avaliação, e por negar aos estudantes compreender a realidade concreta pela negação da ciência, da fragmentação da educação e pelo esvaziamento teórico da categoria cidadania. Proporcionando uma educação para o conformismo
PALAVRAS-CHAVE: Política Educacional; Banco Mundial; Base Nacional Comum Curricular; Educação para o Conformismo

AUTOR: CLEBSON DOS SANTOS MOTA
ORIENTADOR: MARINALVA LOPES RIBEIRO
TITULO: A INFLUÊNCIA DA RELAÇÃO AFETIVA ENTRE PROFESSORES E ESTUDANTES DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA UEFS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA
RESUMO:
A pesquisa que deu origem a esta dissertação de Mestrado, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), teve por objetivo geral: Compreender a influência da relação afetiva entre professores e estudantes do curso de Educação Física da UEFS, no processo de formação acadêmica. O estudo é de abordagem qualitativa, na construção dos dados utilizamos a entrevista semiestruturada do tipo questões estímulo. A amostra foi composta por quatro professores e sete estudantes do curso de Educação Física. O estudo se referenciou em autores como Ribeiro (2004, 2006 2009, 2010, 2011), Dantas (1992), Day (2011), Freire (1996, 1997, 2005), Freitas (1995), Leite (2005), Luckesi (1995), Piagget (1976), Pinto (2009), Damásio (2000), Pozzo (2009), Sayla (2012), Balzan (2015), Coulon (2008) Tardif (2008), Tassoni (2000, 2013, 2015), Vygotski (1991, 1996), A análise dos dados foi inspirada na Análise de Conteúdos de Bardin (1997). Com a análise dos dados construímos duas categorias. A primeira fala sobre o perfil do estudante na educação superior e a segunda sobre professores e estudantes na relação educativa. Para uma melhor estruturação dos dados, as categorias foram divididas em subcategorias. . Os resultados obtidos apontam que os sentidos atribuídos pelos colaboradores da pesquisa em relação à afetividade se vinculam: às atitudes do docente em relação aos estudantes; às qualidades pessoais do docente e dos discentes. Ficou evidente a necessidade da reflexão sobre a própria prática e a formação continuada dos professores da educação superior. Além disso, os resultados revelam que o professor afetivo é próximo, solidário, acolhedor, preocupa-se com as necessidades formativas dos estudantes, respeita as diferenças culturais, dedica-se à profissão, é amigo, tem sensibilidade, flexibilidade e humanidade ao tratar das dificuldades cognitivas e afetivas dos estudantes
PALAVRAS-CHAVE: Afetividade. Relação professor-estudante. Ensino Superior.


AUTOR: DIEGO BRUNO DE SOUZA PIRES
ORIENTADOR: ANTÔNIA ALMEIDA SILVA

TITULO: JUDICIALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: TENDÊNCIAS DA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO E PERSPECTIVAS PARA A EXEQUIBILIDADE DO DIREITO (2000-2010)
RESUMO:
PIRES, Diego Bruno de Souza. Judicialização da educação no Brasil: tendências da produção do conhecimento e perspectivas para a exequibilidade dodireito (2000-2010). pp.114, 2017. Dissertação (Mestrado)- Departamento de Educação, Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia, 2017.
Esta pesquisa põe em relevo o tema da judicialização da educação, tomando como questãoas características das produções acadêmicas sobre a judicialização da educação produzidas pelos programas de pós-graduação em educação no Brasil, no período de 2000 a 2010, e as perspectivas que elas aportam para o entendimento desse fenômeno, especialmente para a exequibilidade do direito à educação. Com isso, temos o objetivo de analisar - de forma sistemática - as produções acadêmicas sobre a judicialização da educação produzidas pelos programas de pós-graduação em educação no Brasil e qualificar as possíveis mudanças nos enfoques e dimensões dessa produção no período de 2000 a 2010, bem como fazer um mapeamento dessas produções no sentido de caracterizar seus direcionamentos e compreender suas possíveis contribuições para a constituição da área de políticas educacionais. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, do tipo estado de conhecimento e que, portanto, busca apreender as tendências na produção acadêmica baseando-se em categorias temáticas, explorando o repertório dos textos selecionados, suas características argumentativas, opções teórico-metodológicas e o contexto circunstanciado.Tem-secomo norte uma compreensão histórica do direito à educação, a partir do entendimento trazido por Norberto Bobbio. Neste enfoque,elegeu-secomo categorias de análiseo Direito à educação, a Judicialização ea Reserva do possível. Nas produções analisadas se faz perceptível a diversidade de dimensões e terminologias, defendendo a judicialização como um instrumento que impunha o acesso a escola, mas, ao mesmo tempo tem se constituindo em um fenômeno que já há algum tempo extrapolou esse limite, passando a abranger temáticas e enfoques variados, tais como a qualidade do ensino e da educação, passando também a estimular frentes de intervenções tais como fiscalizar, interferir e formular as políticas públicas e, em alguns casos, controlar a didática e a pedagogia escolar, mitigando as competências executivas.
PALAVRAS-CHAVE: Poder Judiciário, Judicialização, Direito à Educação, Reserva do Possível.
AUTOR: ELENILDA ALVES BRANDÃO
ORIENTADOR: ELENISE CRISTINA PIRES DE ANDRADE

TITULO: “VOCÊ TEM FOME DE QUÊ?”: MOVIMENTOS (E)M CURRÍCULOS DE UMA ESCOLA DO ENSINO MÉDIO EM IPIAÚ, BAHIA
RESUMO:
Esta dissertação apresenta uma pesquisa qualitativa em educação, inserida nos movimentos do pensamento da filosofia da diferença, com os conceitos de acontecimento (Deleuze) e de potência de vida (Espinosa). As escolhas aqui elencadas tecem encontros com o pensamento de um currículo que racha com as ideias prontas e engessadas, buscando, à luz de leituras de MarlucyParaíso e Sandra Corazza, as fomes, saciedades provocantes de possibilidades outras para pensar, estudar e praticar currículos. A produção dos dados envolveu nove estudantes das três séries do Ensino Médio da escola pública de Ipiaú, Colégio Modelo Luiz Eduardo Magalhães, entre os anos de 2015 e 2016, três professoras e um skatista, ex-estudante dessa instituição. A cartografia, que permeou o modo de pensar essa escrita-pesquisa, fez composição com o estudo de caso, articulando uma metodologia em movimento: a bricolagem. Os percursos foram entrecortados inicialmente por algumas pistas (des)organizadas, como oficinas-dinâmicas com música e desenho/pintura em telas, produção de fotografias, que foram atravessadas por outras: criação de paródia, confecção de camisetas, conversas virtuais pelo grupo de whatsapp e entrevistas informais. Intentamos aqui empreender,a partir de análise dos materiais produzidos pelos estudantes e colaboradores,em nossas itinerânciasbricoleurs, (im)possibilidades de se apreender os currículos do Ensino Médio, como brechas que (re)configuram acontecimentos e atiçam-desencadeiam o fluxo intenso da vida comopotência criativa.
PALAVRAS-CHAVE: Currículo.Filosofia da diferença.Ensino Médio
AUTOR: GILMARA DOS SANTOS BELMON BOMFIM

ORIENTADOR: ANTONIA ALMEIDA SILVA
TITULO: PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS (PAR) NOMUNICÍPIO DE AMÉLIA RODRIGUES – BA: DAREPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL À PARTICIPAÇÃO – (2007-2014)

RESUMO:
Esta pesquisa analisa a participação e a representação dos sujeitos responsáveis pela elaboração e pelo monitoramento do Plano de Ações Articuladas (PAR), no município de Amélia Rodrigues – BA, no período de 2007 a 2014. Para tanto, o estudo elegeu como questão central de investigação: Como e em que medida os diferentes sujeitos participantes do processo de elaboração e acompanhamento do PAR se constituíram como agentes de mobilização social e representantes ativos da sociedade civil para o desenvolvimento do Plano? O PAR é um instrumento criado em 2007 pelo Governo Federal, na gestão do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com a finalidade de melhorar a qualidade da educação por meio da implementação de programas educacionais, em regime de colaboração entre a União, Estados, municípios e Distrito Federal. Como objetivo buscou-se analisar a participação e a representação dos sujeitos na elaboração e acompanhamento do PAR, assim como suas implicações na mobilização da sociedade civil e nos resultados alcançados, tanto no delineamento do Plano, quanto no seu desenvolvimento.
A pesquisa, de caráter qualitativo, utilizou como instrumentos de coleta de dados a análise documental e a entrevista semiestruturada, tomando como principais categorias de análise os conceitos de participação, representação e sociedade civil, tendo como referência os pressupostos da filosofia da práxis de Antonio Gramsci (1973), (1982), (1984). Os dados do estudo foram constituídos de fontes orais e de documentos oficiais impressos e digitais que instituíram, regulamentaram e orientaram a produção e o acompanhamento do PAR no período de 2007 a 2014, bem como das atas de reuniões da Equipe Local. Identificou-se que, no ano de 2008 o contexto político de eleições municipais, aliado às limitações técnicas da Equipe Local influenciou negativamente a primeira elaboração do PAR, gerando um plano com algumas incoerências frente à realidade educacional do município. Verificou-se que na segunda vigência os membros da Equipe Local foram mais participativos, sem, contudo, estabelecerem vínculos com seus representados. O estudo concluiu que não houve um processo contínuo e efetivo de mobilização da sociedade civil para a produção e o acompanhamento das ações do PAR no município de Amélia Rodrigues, revelando que a participação dos sujeitos ocorreu formalmente, sem que houvesse uma partilha de poder e sim de responsabilização. Estes sujeitos não estabeleceram interlocução com seus representados, de modo que sua atuação ficou aquém da participação ativa no sentido de ter e dar parte nas ações

PALAVRAS-CHAVE: Participação; Representação; Sociedade Civil

AUTOR: GRACIELIA NOVAES DA PENHA
ORIENTADOR: GLÁUCIA MARIA COSTA TRINCHÃO
TITULO: Um click na escola: imagens, produções fotográficas e influência na formação leitora e cultural dos sujeitos aprendentes nas itinerâncias do “EPA”.
RESUMO:
A presente pesquisa teve como objetivo maior compreender o potencial formativo das produções visuais no processo de constituição cultural e leitora dos sujeitos no Colégio Estadual de Quixabeira, localizado na cidade de Quixabeira/Bahia. Essas produções foram construídas durante a participação dos sujeitos aprendentes no Projeto Estruturante “Educação Patrimonial Artística” promovido anualmente pela Secretaria de Educação do Estado da Bahia nas escolas de ensino médio da rede. Os álbuns fotográficos são elaborados com a pesquisa e fotografia de patrimônio cultural (material e imaterial) do lugar de vivência dos sujeitos, que são feitos com a câmara do celular. O levantamento das informações visou analisar as produções visuais (álbuns fotográficos) com o intuito de perceber sua relevância na constituição do sujeito cultural e leitor; conhecer o perfil dos estudantes que participam do projeto Educação Patrimonial Artística na referida unidade escolar; analisar os materiais coletados (álbuns e depoimentos dos sujeitos) observando o seu potencial sócio educativo e interpretativo a partir da perspectiva da compreensão crítica da cultura visual; e, refletir sobre o processo de produção dos álbuns nos processos formativos dos sujeitos aprendentes enquanto leitores e produtores de sentidos. É uma pesquisa de abordagem qualitativa, inspirada na perspectiva hermenêutica que é utilizada também como método de análise dos dados levantados durante a pesquisa de campo. Os procedimentos metodológicos utilizados foram:observação analítica dos álbuns fotográficos referentes aos anos de 2013, 2014 e 2015 nesta unidade; um encontro de discussão que contou com a participação de 10 (dez)aprendentes que participaram do projeto nas edições de 2014 e 2015. E entrevistas do tipo semiestrutruadacom algunsdos aprendentes participantes do projeto EPAe também docentes orientadores do projeto no referido colégio. Esse estudo baseia-se no campo teórico da Cultura Visual, onde a imagem é compreendida como portadora de significados entre os sujeitos numa perspectiva crítica dos seus papéis e funções sociais, passando da simples apreciação de imagens para a formação de sujeitos intérpretes e produtores de textos visuais.
PALAVRAS-CHAVE: Imagem, Cultura Visual,fotografia, formação leitora-cultural, projeto estruturante.

AUTOR: HÉLIO SOUZA DE CRISTO

ORIENTADOR: MARCO ANTONIO LEANDRO BARZANO
TITULO: JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE: NARRATIVAS DE JOVENS AMBIENTALISTAS DO ESTADO DA BAHIA
RESUMO:
O presente estudo busca compreender e refletir os processos de socialização que figuram os percursos e trajetórias juvenis como disposições ao engajamento na militância em grupos, coletivos, organizações e movimentos ambientalistas. Neste sentido, pensa-se também na imbricação da escola enquanto espaço educativo formal e de socialização das gerações no que tange às discussões sobre meio ambiente. A pesquisa é de cunho qualitativo e se estrutura, em duas etapas, quais sejam: a primeira, com a aplicação de questionário de perfil socioeconômico e, posteriormente, a realização de entrevistas semiestruturadas, enquanto eixo-chaves para a construção das narrativas orais dos jovens sujeitos da pesquisa. A relação entre juventude e meio ambiente é estudada – nesta pesquisa - considerando as categorias engajamento militante e socialização política como ferramentas que contribuem para a formação e construção dos projetos e trajetórias de vida dos jovens ambientalistas enquanto sujeitos sociais e políticos, partindo da natureza histórica e plural subjacente ao conceito de juventude. Dada à peculiaridade das categorias abordadas, a pesquisa é realizada com jovens do estado da Bahia que participam, ativamente, de movimentos, grupos e projetos ambientalistas situados em diferentes municípios baianos. Por isso, a pesquisa é tecida em uma perspectiva sócio-histórica, em que o meio ambiente é entendido como campo de lutas e conflitos perpassado por questões sociais, políticas, culturais, éticas e econômicas. O caminho de chegada até os processos de socialização que levam ou motivam os jovens a se engajarem na militância ambientalista é marcado, neste trabalho, pela discussão de questões que interceptam o encontro entre a temática juventude e meio ambiente como identidade e projeto de vida, ética e educação ambiental, condição juvenil e influência das agências socializadoras na formação dos sujeitos ecológicos. Para tal, a pesquisa se debruça nas ideias e pressupostos teóricos que se constituem como campo amplo e significativo à construção de diálogos entre teorias sociológicas e pedagógicas, que permitem perceber quais processos de socialização tecem e constroem as disposições juvenis no campo do engajamento militante ambientalista. Por meio das narrativas, percebeu-se que as relações escolares, familiares, com grupos de sociabilidades, participação em sindicatos, associações e pastorais da juventude influenciam no engajamento militante juvenil ambientalista, bem como há necessidade de refletir e desenvolver ações que evoquem a participação política institucionalizada da juventude ambientalista
PALAVRAS-CHAVE: Juventude. Meio Ambiente. Engajamento Militante. Socialização Política.
AUTOR: JANAÍNA DA CONCEIÇÃO SANTOS DIAS ALMEIDA
ORIENTADOR: DENISE HELENA PEREIRA LARANJEIRA
CO-ORIENTADOR: MIRELA FIGUEIREDO S. IRIART
TITULO: MEU OLHAR DE ENCONTRO AO TEU:
A ESCOLA NA ÓTICA DOS JOVENS-ESTUDANTES DO COLÉGIO ESTADUAL YEDA BARRADAS CARNEIRO - CONCEIÇÃO DA FEIRA/BAHIA


RESUMO:
O presente estudo tem como objetivo compreender e refletir sobre os sentidos atribuídos pelos/as jovens-estudantes à escola em seu processo de escolarização, assim como as relações que estabelecem entre a escola e si mesmos, evidenciando as razões que os mobilizam a frequentá-la e seus anseios e necessidades em relação ao ensino médio. Esta proposta advém, sobretudo, do interesse particular enquanto professora de jovens, entre 15 e 21 anos, estudantes das 1ª e 3ª séries do Ensino Médio, seres em desenvolvimento, que produzem significações de suas experiências na trama das relações sociais, na única escola do município de Conceição da Feira a ofertar essa modalidade de ensino, e, a partir de leituras de textos sobre a relação Juventude(s) e Escola. Para a construção desse trabalho investigativo, foi tecida, no desenho metodológico de pesquisa qualitativa, uma interlocução entre as abordagens teórico-metodológicas da Rede de Significações (RedSig) e da Cartografia, por acreditar que essas dariam o suporte necessário para a realização desse percurso. Os dados foram produzidos processualmente, considerando-se o contexto e as interações. Sendo, assim, buscando reunir diferentes perspectivas que, ao se cruzarem, pudessem compor um mapa de significação, foram utilizados como estratégia: a observação direta do contexto com registros em diários de campo, a aplicação de questionário sociocultural a fim de conhecer os/as dezesseis jovens que colaboraram com este trabalho, conversas informais e os grupos de diálogo. O caminho percorrido entre a reflexão, a prática e a busca até os sentidos atribuídos pelos/as jovens-estudantes à escola em seu processo de escolarização é delineado, neste trabalho, pela discussão de questões referentes à temática juventude, escola e processos de escolarização e a “crise” do Ensino Médio, e contribui para a abertura do diálogo entre as ideias e pressupostos teóricos e as cenas descortinadas. Chegando ao itinerário final, percebeu-se que os sentidos atribuídos pelos/as jovens à escola estão relacionados à forma como ele/ela se vê diante do processo de escolarização: as motivações, os laços estabelecidos, as expectativas e as frustrações. Nesta perspectiva, os sentidos foram identificados e debatidos a partir de temas emergentes nas narrativas dos/as jovens-estudantes que participaram desta pesquisa. Por essa razão, as significações da escola, as relações de sociabilidade e os projetos de vida ganham um contorno especial no capítulo de análise dos dados.

PALAVRAS-CHAVE: Juventude. Escola. Ensino Médio. Sentidos

AUTOR: JUSSIANA SILVA DOS SANTOS REBOUÇAS
ORIENTADOR: ALESSANDRA ALEXANDRE FREIXO
TITULO: QUEM PARIU MATEUS QUE BALANCE?
UMA CARTOGRAFIA DOS DESEJOS MATERNAIS NA ADOLESCÊNCIA
CERG-SÃO FÉLIX/BA
RESUMO:
Escola, desejos, sexualidade, gênero e proibição são algumas linhas que atravessam a gravidez na adolescência, se bem que os saberes difundidos pela mídia e pelos profissionais das diversas áreas do conhecimento continuam sendo discursos que emanam o poder de silenciar e negar o protagonismo juvenil. Nesse sentido, a abordagem sobre a maternidade na adolescência necessita de novos sabores, de mutações, de recriações, de invenções para além dos discursos higienistas e moralizantes que aprisionam potências de vida. Por isso, o presente trabalho dissertativo vem apresentando uma cartografia realizada por muitas mãos, uma escrita na qual pesquisadora, comunidade escolar e mães adolescentes se despersonalizam ao mesmo tempo em que se singularizam nas especificidades das experiências, na reafirmação de vozes emudecidas, na travessia das intensidades e na visibilidade dos múltiplos caminhos percorridos. Assim, mediante narrativas sobre dobras e desdobras da memória fomos rabiscando diários, participando de conversas em grupo nas redes sociais, trocando histórias e criando relações. Ora, de que forma as adolescentes experimentam a maternagem, sobretudo em relação às demandas escolares? Como a gravidez (in)desejada é processada no cotidiano dessas meninas entre os significados compartilhados com os pares e a coerção sofrida mediante as instituições sociais? E por fim, quem é responsável por Mateus? Tais indagações estiveram no meio dos nove meses de gestação que longe de representarem uma linearidade temporal constituem desvios, que desarrumam conceitos e desterritorializam verdades imaculadas.

PALAVRAS-CHAVE: Gravidez, Adolescência, Escola, Cartografia

AUTOR: LUISA GOMES PORTUGAL

ORIENTADOR: AMALI DE ANGELIS MUSSI
TITULO: INOVAÇÃO E AUTONOMIA: Os estudantes de Aprendizagem Baseada em Problemas e suas estratégias.
RESUMO:
O presente texto contempla uma pesquisa de mestrado realizada no Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e objetiva Compreender através da identificação das estratégias de aprendizagem, se o modelo de Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL) da Engenharia de Computação (ECOMP)- UEFS contribui para a autonomia de seus estudantes. Os fundamentos teóricos que sustentam esse estudo e alguns dos autores que os alimentam são: 1. A cultura, identidade e a pós-modernidade (HALL, 2000; BAUMAN, 2012; DUBAR, 2006; VEIGA-NETO, 2003); 2. A cultura da aprendizagem (POZO, 2006; 2009; CLAXTON, 2005); 3. Inovação (MASETTO, 2012; LUCARELLI, 2007; 2009; CUNHA, 2009); 4. Aprendizagem Baseada em Problemas (ARAÚJO, 2009; BERBEL, 2011; ANGELO et al., 2014); 5. Autonomia (RUÉ, 2007); 6. Estratégias de Aprendizagem ( MONEREO, 2001; BORUCHOVITCH, 2006). Para se alcançar possíveis respostas, realizamos uma pesquisa do tipo mista, de estratégia explanatória sequencial (CRESWELL, 2010), em que o peso da pesquisa se revela maior na aplicação de um instrumento quantitativo o qual, depois, recebe o aparato para a construção dos dados de um instrumento qualitativo. Dessa forma, realizamos juntamente com os estudantes de EComp de uma universidade pública de Feira de Santana a aplicação da Escala de Avaliação de Estratégias de Aprendizagem em Universitários (EEA-U), de Santos e Boruchovitch (2015), e em seguida, desenvolvemos um Grupo de Discussão Operativo (GDO), inspirado nos estudos de Silva e Almeida (2015). Como sujeitos, participaram 137 estudantes na primeira fase, a EEA-U e, para a segunda fase, o GDO, contamos com 8 estudantes. A análise dos dados foi realizada a partir das categorias propostas pelo próprio instrumento da EEA-U, em sincronia com os relatos obtidos no GDO. Os estudantes expuseram dificuldades para a adaptação na universidade e mudanças nas suas maneiras de estudar por conta do PBL. Percebemos também que eles apresentam estratégias de aprendizagem superficiais (possivelmente adiquiridas desde a Educação Básica), que não conseguem administrar bem o seu tempo de estudo e que se distraem com facilidade durante os mesmos. A autonomia pode ser identificada com pouco desenvolvimento no passar dos anos, não havendo uma diferença significativa de uso de estratégias nos diferentes semestres. A pontuação das mulheres nos três fatores de autorregulação da escala se apresentaram superiores a dos homens, porém novas investigações carecem ser realizadas. No GDO, os estudantes ainda declararam os problemas encontrados no formato PBL que vivenciam. Este trabalho visa colaborar com o olhar sobre o universitário e como podemos favorecer para o seu aprendizado nesse espaço, bem como nas melhorias e incentivo das metodologias ativas da universidade estudada e, por fim, no fomento de pesquisas sobre o assunto em nossa região.

PALAVRAS-CHAVE: Ensino Superior, Estratégias de Aprendizagem, Autonomia, Inovação, Aprendizagem Baseada em Problemas

AUTOR: RODOLFO SANTOS DE MIRANDA

ORIENTADOR: LUDMILA OLIVEIRA HOLANDA CAVALCANTE
TITULO: PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO NA REFORMA AGRÁRIA E SEU SUPOSTO CARÁTER CONTRA-HEGEMÔNICO: análise da implementação do programa na UEFS– 2005 a 2008
RESUMO:
O presente trabalho tem como objeto de pesquisa o projeto desenvolvido por meio Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA), que se encontra dentro das políticas públicas para a Educação do Campo, através da parceria entre a Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), a Fundação de Apoio à Pesquisa, Ensino e Cultura (FAPEC), o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária(INCRA), Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado da Bahia (FETAG-BA) e a Pastoral Rural da Diocese de Paulo Afonso, na modalidade de alfabetização de Jovens e Adultos,no período de 2005 a 2008. A pesquisa problematizouo processo de construçãoe desenvolvimento do projeto, buscando compreender em que medida se concretizou a suposta proposta contra-hegemônica do programa. A partir da teoria crítica, foram utilizadas referências como Gramsci (1989, 2007), Ribeiro (2010) e Caldart (2004, 2009), que respaldaram as categorias de análise Contra-hegemonia e Educação do Campo, demarcando o recorte de classe da pesquisa. Baseando-se na metodologia qualitativa, foi utilizada a pesquisa documental a partir da análise de conteúdo, servindo-se de documentos produzidos pelos parceiros do PRONERA/UEFS como por exemplo, o texto base do Projeto, os relatórios avaliativos das instituições e equipes envolvidas ao longo do percurso, o texto do convênio estabelecido interinstitucionalmente, os módulos de estudo do PRONERA, além das Manuais de Operações do programa. Constatou-se entre outras coisas, que o projeto do PRONERA/UEFS, ao pautar-se em uma concepção de educação construtivista (relacionada às diretrizes internacionais para a educação do século XXI criadas pela ONU e UNESCO), distanciou-se dos princípios políticos pedagógicos da educação do campo, negando de forma contraditória, a gênese da proposta educacional nascida com as lutas sociais do campo nas últimas décadas do século XX. Constatou-se também inúmeras contradições na participação e papel dos representantes da tríade movimentos sociais, Incra e universidade no processo de implementação e desenvolvimento da proposta, que trouxeram implicações para uma satisfatória execução da proposta em sua essência. Tais contradições colocaram sob risco a concepção de educação do campo na proposta educacional, assim como o potencial emancipatório que o PRONERA defende enquanto projeto contra hegemônico de/para as lutas sociais no/do campo.
PALAVRAS-CHAVE: Contra-hegemonia; Educação do Campo; Movimentos Sociais do Campo
AUTOR: SARA SOARES COSTA MAMONA
ORIENTADOR: WILSON PEREIRA DE JESUS
TITULO: EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: REFLEXÕES SOBRE A MODALIDADE NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA UEFS.

RESUMO:
Este estudo propôs-se a investigar, no âmbito da formação inicial de professores de matemática os conhecimentos profissionais necessários ao professor licenciado para a sua atuação na Educação de Jovens e Adultos - EJA, modalidade da Educação Básica. Para tanto, alguns dos objetivos específicos definidos foram identificar os conhecimentos profissionais orientados para a EJA presentes na Proposta Pedagógica do Curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, Ementas e Planos de Ensino; identificar os conhecimentos necessários de serem construídos durante a formação inicial para um licenciado em matemática atuar na EJA; contribuir para a compreensão e reflexão acerca dos conhecimentos necessários para a formação inicial de professores de matemática para atuação na EJA. Apesar de a modalidade representar uma demanda importante para atendimento na Rede de Ensino, ainda há muitos profissionais que atuam na modalidade sem formação na área. Considerando que o perfil de saída dos licenciados deveria atender às demandas da Educação Básica e como a EJA a constitui, faz-se necessário voltar o olhar para a formação inicial de professores. A matemática foi escolhida por tratar-se de uma das áreas consideradas pelos alunos como das mais difíceis. A abordagem escolhida foi a qualitativa, com a perspectiva de construir uma compreensão sensível do fenômeno estudado a partir das percepções trazidas pelos sujeitos da pesquisa – graduandos e professores-formadores com alguma experiência na EJA. As técnicas utilizadas foram análise de documentos, entrevistas semiestruturadas e questionários. O lócus da pesquisa foi o Curso de Licenciatura em Matemática da UEFS. Este trabalho está estruturado em cinco tópicos, sendo uma introdução; o segundo tópico traz um levantamento das pesquisas realizadas que tratam do mesmo objeto deste trabalho e considerações referentes ao percurso metodológico escolhido; o terceiro tópico consta do quadro teórico com dois capítulos que tratam da formação inicial de professores, de questões matemáticas para o ensino na EJA e sobre as especificidades da EJA, elencadas em três distintas dimensões que estão relacionadas aos sujeitos da EJA, as dimensões pedagógicas e político-administrativas. O quarto tópico traz as discussões dos resultados a partir da análise de documentos do curso, das falas dos sujeitos da pesquisa e das reflexões estabelecidas com o quadro teórico. Finalmente, no último tópico, são apresentadas as considerações finais que apontam que o ensino e os sujeitos da EJA, suas realidades e especificidades, são as fontes relevantes para serem compreendidas durante a formação inicial de professores de matemática para a atuação na Educação de Jovens e Adultos.
PALAVRAS-CHAVE: Educação de Jovens e Adultos. Formação Inicial de Professores de Matemática. Licenciatura em Matemática.

AUTOR: TAIARA DE LIMA SILVA
ORIENTADOR: MARINALVA LOPES RIBEIRO
TITULO: FORMAÇÃO INICIAL E OS SABERES DA DOCÊNCIA: REPRESENTAÇÕES DE PEDAGOGAS EGRESSAS DA UEFS
RESUMO:
Esta dissertação apresenta resultados de uma investigação de abordagem qualitativa, cujo objetivo foi conhecer, mediante as representações de egressas do Curso de Pedagogia, os saberes necessários à docência nas séries iniciais do Ensino Fundamental I, construídos na sua formação inicial. No intuito de atingir este objetivo, fundamentamo-nos teoricamente nos princípios da Teoria das Representações Sociais e no campo de estudo da Formação de Professores. Para constituir o corpus de análise, optamos pelo uso de epístolas, contando com a colaboração de 06 (seis) professoras egressas do Curso de Pedagogia da UEFS. Para a análise dos dados coletados e produzidos na investigação, utilizamos a técnica da Análise do Conteúdo (BARDIN, 2011). Três grandes categorias analíticas foram identificadas a partir da leitura das missivas produzidas pelas professoras colaboradoras: a primeira refere-se aos saberes privilegiados no Curso de Pedagogia; a segunda diz respeito às lacunas deixadas pela formação inicial; e a terceira versa sobre as fontes dos saberes docentes. Conclui-se que ao ingressarem no curso de formação, as professoras trazem consigo saberes de diversas naturezas, pois elas registram, a partir de suas vivências, enquanto alunos, as representações desse ofício. Neste sentido, o que se espera do curso de formação inicial é que objetive esses saberes iniciais e o processo de transposição de ancoragem para objetivação na construção dos saberes docentes. Ademais, este estudo revelou que a formação inicial é um dos momentos que os saberes são construídos, entretanto, não fica restrita, somente a ela, uma vez que a formação continuada também tem um importante papel na constituição desses saberes e é na prática que eles são aprimorados. Entretanto, ao adentrarem no campo de atuação, as egressas em estudo sentiram falta de alguns outros saberes. Portanto, é necessário que haja uma coerência entre aquilo que os cursos de formação ensinam com o que os futuros professores irão encontrar na prática. Os cursos de formação inicial não podem ser reduzidos somente ao ensino de conteúdos, é necessário que haja a. Sobretudo, demanda-se o papel desempenhado pela prática e o papel que desenvolve a relação com os pares na consolidação e construção de saberes docentes, inclusive no caso das professoras iniciantes.
PALAVRAS-CHAVE: Saberes docentes. Formação inicial. Curso de Pedagogia. Representações Sociais.

AUTOR: TAILANNE REIS PECORELLI GALVÃO
ORIENTADOR: SOLANGE MARY MOREIRA SANTOS

TITULO: SABERES DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR: PERSPECTIVAS SOBRE O ENSINAR E O APRENDER NO CURSO DE DIREITO
RESUMO:
A docência é tão dinâmica quanto o Direito, pois, assim como o Direito se atualiza constantemente para atender aos fenômenos sociais, a docência vem adquirindo novas características com o passar do tempo para atender às novas demandas da sociedade. Ou seja, assim como o Direito se constitui como norma de conduta para dirimir os conflitos e dissensões que surgem nas relações sociais, com o escopo de assegurar o controle da dinâmica social, e a sua evolução conforme o desenvolvimento social, a docência também evolui para alcançar as mudanças que ocorrem na sociedade. Nesta dissertação apresento os resultados de uma pesquisa acerca dos saberes docentes no ensino superior: perspectivas sobre o ensinar e o aprender no curso de Direito. Tive por objetivo geral compreender os saberes mobilizados pelo professor no processo de ensino-aprendizagem dos alunos. Para tanto, especificamente, pretendo analisar, junto aos alunos e professor, os saberes necessários à prática docente no curso de Direito, examinar os saberes utilizados pelos professores na relação estabelecida pelo discente e docente, e, por fim, discutir o saber da prática docente, significativo para a aprendizagem dos discentes. A atividade foi estruturada a partir dos aportes teóricos sobre os saberes de Tardif (2002), Gauthier (2006), Freire (1996 e 2000) e Pimenta (1998, 2002), de conhecimento de Shulman (1987) e de competências de Masetto (1998 e 2003), que embasam as práticas docentes de experiências dos alunos e do professor. Para o desenvolvimento da pesquisa utilizei a abordagem qualitativa, com o escopo de compreender o discurso por trás das falas dos sujeitos, os quais tornaram-se conhecidos por meio da aplicação de questionário e da participação efetiva dos sujeitos na pesquisa através de uma entrevista, fundamentada em 8 (oito) casos práticos, construídos a partir da realidade de alguns alunos e professores do curso de Direito de instituições da cidade de Feira de Santana-Ba. A pesquisa foi realizada com 1 (um) professor e 4 (quatro) estudantes do curso de Direito da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS. Para analisar as entrevistas utilizei a técnica de análise de conteúdo de Bardin (2010), pela qual foram encontradas 3 (três) categorias que representam os saberes necessários ao docente do curso de Direito, que influenciam a aprendizagem dos alunos, apontados pelos sujeitos, alguns deles que correspondem à prática dos professores da UEFS: apropriação do conteúdo, relação professor-aluno e prática pedagógica. Os resultados encontrados indicam a necessidade primaz de uma formação específica para os professores que exercem suas atividades docentes nos cursos de Direito. Notou-se que, tanto os estudantes, quanto o professor revelam a importância dos saberes docentes para a aprendizagem dos alunos
PALAVRAS-CHAVE: Saberes docentes, Ensino Superior, Aprendizagem, Curso de Direito


Recomendar esta página via e-mail: